Os maiores clássicos da literatura brasileira

63

1 – Macunaíma (Mario de Andrade)

Este livro foi publicado em 1928, retrata vários elementos característicos do Brasil, como exemplo as lendas, mitos, tradições, religiões, falares, hábitos, comidas, lugares, fauna e flora, etc.

Macunaíma foi um índio que passou sua infância em uma tribo amazônica. Quando já adulto se apaixona por Ci, a mãe do mato, e com ela tem um filho que infelizmente morre ainda bebe. Ci, abalada com a morte do filho, se acaba na tristeza e vem a falecer por não suportar a dor da perda. Macunaíma tinha apenas um cordão para recordar de sua amada, mas acaba perdendo o mesmo, que em seguida descobre que está nas mãos do gigante Piaimã em São Paulo.

Ao saber, ele parte para São Paulo junto a dois irmãos, no objetivo de resgatar o pertence. Entre diversas tentativas, eles conseguem recuperar e voltar para a tribo. Entretanto, Macunaíma esteve em outras aventuras no qual perdeu novamente o muiraquitã (cordão). Muito decepcionado, Macunaíma também acaba falecendo.

https://www.pontofrio.com.br/livros/LiteraturaInfantojuvenil/Juvenil/Livro-Macunaima-o-Heroi-Sem-Nenhum-Carater-Mario-de-Andrade-2443965.html

Fonte da imagem: https://images-americanas.b2w.io/produtos/01/00/item/117093/3/117093319SZ.jpg

2 – O cortiço (Aluísio Azevedo)

O livro é um romance naturalista, que explica os comportamentos das pessoas que vivem em um cortiço carioca, com base na interação com o meio, e o momento socio histórico em que vivem.

De início o livro fala sobre João Romão, um empresário rico e ambicioso que explora a mão de obra dos trabalhadores, e também se envolve em furtos. João Romão se torna dono do cortiço, da taverna e da pedreira. E tem como esposa, Bertoleza, que também sofre exploração de João, trabalhando sem descanso.

Em oposição ao João, surge Miranda, que também é um português comerciante. Miranda é de uma classe social bem mais elevada que a de João, os dois tinham interesses em comum e resolvem se aliar. Para concretizar a aliança, João se casa com a filha de Miranda, Zulmira. Para o casamento acontecer, ele primeiro se livrou de Bertoleza, que revoltada com a decisão de João comete suicídio com uma faca.

No cortiço se encontra todos os personagens da obra. Entre eles, Jerônimo, é gerente da pedreira atrás do cortiço, e mora com sua esposa piedade. Futuramente, jerônimo é seduzido por Rita Bahiana (uma linda mulata residente do cortiço), que faz com que ele largue Piedade e dedique seu amor todo a Rita.

Essa má influência do meio sobre as pessoas do cortiço, também afeta Pombinha, uma jovem que aguardava a primeira menstruação para se casar. Entretanto, acaba por abandonar o marido e vai se prostituir junto a Leonie.

Fonte da imagem: https://cdn.maioresemelhores.com/imagens/o-cortico-cke.jpg

3 – Vidas Secas (Graciliano Ramos)

A obra foi publicada em 1938, e relata um romance documental baseada nas suas experiências.

A obra retrata a sociedade brasileira e seus problemas. A estória relata uma família que vive no sertão nordestino com grandes dificuldades de sobrevivência, devido a grande seca.

Fabiano e Sinhá Vitória são um casal simples que possuem dois filhos: o mais novo e o mais velho. Dos filhos, nenhum nome é mencionado durante toda a estória. Mesmo convivendo constantemente com a miséria, eles são crianças que possuem sonhos. O mais velho é muito curioso, e o mais novo anseia por fazer algo importante, para que todos fiquem orgulhosos dele.
No decorrer da obra, a família atravessa o sertão nordestino na tentativa de conseguir condições melhores de vida, fugindo da miséria e da seca.

Fonte da imagem:

4 – Dom casmurro (Machado de Assis)

A obra foi publicada em 1899, narrado em primeira pessoa, o protagonista da obra pretende lembrar e reviver seu passado. A narração começa falando de sua juventude, quando conheceu sua amada esposa, Capitu.
A obra relata o amor de Bentinho por Capitu, e o seu triste final. Bentinho, desde novo foi apaixonado por Capitu, que acaba tendo um filho futuramente, Ezequiel.

Escobar, era um grande amigo de Bentinho, no qual após sua morte começou a desconfiar de que Ezequiel era filho de Escobar, e não seu. Com isso bentinho decide abandonar Capitu e Ezequiel, para viver uma vida cheia de mágoa e solitária, por causa da traição envolvendo sua amada e Escobar.

Em geral, a obra explora temas como desconfiança, ciúme e traição. Embora o narrador pareça ter a certeza, para o leitor fica a dúvida se Capitu traiu ou não Bentinho.

Fonte da imagem: http://statics.livrariacultura.net.br/products/capas_lg/469/58469.jpg

5 – Grande sertão: Veredas (Guimarães Rosa)

Publicado em 1956, a obra de Guimarães Rosa é uma das mais emblemáticas da literatura brasileira. Foi traduzida em diversas línguas, e recebeu um prêmio em 1961 pela fantástica obra.

O livro possui uma linguagem coloquial, regionalista e original, e a história se passa em Goiás, Minas Gerais e Bahia. Relata um romance entre Riobaldo(narrador-personagem) e Diadorim.

Riobaldo é o protagonista do romance, o personagem-narrador que apresenta um relato sobre sua vida, desde seus medos, amores, traições, dentre outros.

De tal maneira, Riobaldo faz uma autorreflexão sobre sua vida ao descrever além dos acontecimentos, a paisagem do sertão, a um doutor que recentemente chegou na fazenda em que vive, a quem ele se refere como “Senhor” ou “Moço”.

Com a morte de sua mãe, Riobaldo passou a viver com seu padrinho, Selorico Mendes, na fazenda São Gregório; mais tarde ele descobrirá que Selorico é seu verdadeiro pai.

Por imediata, na fazenda conhece o bando de jagunços de Joca Ramiro, o chefe dos jagunços. Mais adiante, conhece Reinaldo, jagunço do bando de Joca Ramiro, que mais trade revela ser Diadorim, seu grande amor.

Note que, em suas digressões, Riobaldo foca sobretudo, no seu amor impossível, Diadorim, e na existência de Deus e do Diabo.

Por meio de uma narrativa ziguezagueante (não é linear), ou seja, labiríntica e espontânea, é narrado as divagações de Riobaldo, que descreve as personagens que compõem a obra e ainda, as lutas entre os bandos de jagunços, o conflito com o bando de Zé bebelo e a morte de chefe dos jagunços, Joca Ramiro.

Fonte da imagem: https://cdn.pensador.com/img/imagens/gr/an/grande_sertao_veredas.jpg

Fonte do artigo: https://www.maioresemelhores.com/classicos-da-literatura-brasileira/

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você aceita, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceito Leia Mais