Como a ciência explica o amor?

16

Amar. Quem nunca teve um amor romântico ainda vai ter. Essa talvez seria umas das certezas da vida? Há quem diga que não, mas amor não é só romântico, também existe o amor familiar. O amor está presente em nossas vidas desde os primórdios da humanidade, se não houvesse amor, talvez não existisse a reprodução ou até mesmo a criação dos filhos. Ele está presente em nosso cotidiano, e isso não dá para negar, a presença do amor faz com que o ser humano desenvolva grandes invenções ligadas a esse sentimento, um belo exemplo disso são filmes, novelas, e séries que envolvem aspectos amorosos.

Fonte da imagem: https://www.boavidaonline.com.br/wp-content/uploads/2016/04/fisiologia-do-amor-768×760.jpg

O amor é um sentimento difícil de ser definido, mas é correto afirmar que cada um tem sua experiência única de amar. O amor romântico é composto por três características, o apego (dependência emocional), atração sexual, e atenção.

Como funciona o amor no cérebro?

O hipocampo, hipotálamo e o córtex cingulado anterior são as áreas responsáveis por acionar a liberação de neurotransmissores responsáveis pela sensação de recompensa e motivação. Quando liberados os neurotransmissores, dopamina, serotonina e ocitocina o ser humano tende a diminuir a tensão, estresse, e confia mais no parceiro(a).

A amígdala e o córtex pré-frontal são basicamente desativadas quando liberados os neurotransmissores do prazer, pois diminuem as chances de causar alguma emoção negativa. Quanto mais ativações nas áreas cerebrais responsáveis, mais intensa é a relação, caso contrário, se os níveis de ativação estiverem baixos, pode significar que o relacionamento vai ser frustrante. Quando o nível de ativação estiver alto, quer dizer que o indivíduo está feliz em ter aquele compromisso.

Fonte da imagem: http://3.bp.blogspot.com/-5TiVfLvguCM/UWSNfyemXLI/AAAAAAAAAbQ/3g2UU3wk9Ro/s1600/Cerebro+Blog.jpg

A ocitocina interage diretamente com o sistema de recompensa dopaminérgico, fazendo com que estimule a liberação de dopamina no hipotálamo.

“As vias dopaminérgicas ativadas durante o amor romântico criam uma prazerosa sensação gratificante. Essas vias são relacionadas também com o comportamento viciante, que tem a ver com o comportamento obsessivo e com a dependência emocional, observados normalmente quando o amor romântico está na fase inicial”

Amor Familiar

Cada tipo de amor, afetam áreas cerebrais diferentes e, consequentemente, causam sensações diferentes. A diferença entre o amor familiar e o amor românico, e que o amor do familiar, envolve apenas a substância chamada ocitocina. Já o amor romântico, conta com a ação da ocitocina e de outras substâncias como a serotonina e a dopamina.

“O amor familiar supera todas as diferenças, aceitando cada um com sua respectiva peculiaridade e quando existe alguma distância, logo chega a saudade. É um sentimento tão forte que nos leva a cometer os mesmos erros, apenas para não ver a tristeza tocar em nenhum deles”

É este tipo de amor que se recebe no berço, e que você leva para sua vida toda compartilhando com quem merece.

Fonte da imagem: https://cdn.pixabay.com/photo/2018/07/20/00/40/love-3549737_960_720.png

Fonte do artigo: https://manualdohomemmoderno.com.br/video/comportamento/como-ciencia-explica-o-amor

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você aceita, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceito Leia Mais